terça-feira, 26 de julho de 2011

A roda solar

A influência do astro-rei é reconhecida de tempos antigos, retratada desde as primeiras análises astrológicas que foram procedidas pelo Homem paleolítico , aonde este já era capaz de identificar as vibrações solares para melhor canalizar a sua energia,visando desde o momento da plantação até o armazenamento de grãos nos rigores do inverno,durante a evolução humana este conhecimento foi se aperfeiçoando e através dos séculos todo essa bagagem de saber foi somada e perpetuada.
Inúmeros são os cultos politeístas que colocam a figura solar como divina, sempre nos remetendo ao ativo e masculino, o Sol representa a essência de todos os Deuses unos, princípio de força e luz.A maioria dos ritos ancestrais pagãos coloca a estrela como o maior de todos os Deuses, tendo seu reflexo nos mais diversos panteões,podemos nomea-lo como o rei de luz, a eterna criança da promesa, o deus do amor,enfim as equivalências solares se dão à todos aqueles em que se é possível  reconhecer as características luminosas e ativas.

 O Primeiro Calendário Solar

              Os festivais

 O Homem sempre se guiou através dos sinais da natureza, ao observar  o coração pulsante da mãe terra , foi possível harmonizar esses ritmos vividos correspondendo-os  com marcadores espaciais de tempo em que se faziam preces à divindade solar em questão, esses rituais foram caracterizados como festivais, também sendo utilizado a nomenclatura de Sabbats, nestes ritos , Os pagãos honram o sol, os povos mais antigos marcavam o seu crescer e decrescer em um hemisfério.O calendário Solar procede de oito rituais básicos, aonde quatro marcam pontos-chaves da estrela de quinta grandeza e os outros quatros marcam pontos máximos de perigeu e apogeu do astro em relação a esfera terrestre sendo os pontos de equilíbrio da luz solar, ou seja , os dois solstícios e os dois equinócios,a principal característica deste calendário é focalizar a sobrevivência acima de tudo.
Hoje em dia, já é possível ter um fácil acesso a este calendário que se inicia, no dia de Todos os Santos, o Popular Halloween  também conhecido entre a sociedade pagã de Samhain que acontece nos dias de 31/10 para o HN e 30/04 para o HS ,trata-se da Morte do Deus Sol , uma ritualística que representa a entrega do deus-pai em seus últimos grãos para que a Humanidade possa nutrir-se e sua partida para a Terra do Verão,enquanto A Deusa excerce sua face anciã , o deus em seu último raio de Luz fecunda o útero da Mãe Terra para renascer no Solstício de Inverno, nomeado como o festival seguinte este solstício, também é chamado  Yule, aonde nossos ancestrais aguardavam pelo nascimento do Deus menino: a Criança da Promessa ,que iluminaria o rigoroso inverno,o  recém – nascido deus portador da luz que aqueceria os dias frios, a luz começa a crescer e com o passar dos dias  é chegado a hora de Candlemas ou Imbolc (em 02/02 no HN e 01/08 no HS), o sabbat do Leite onde estão representadas as faces de nutrição para que o menino solar cresça , A Deusa renasce sua face donzela e desperta a terra congelada pela anciã, trazendo de volta a vida ao planeta.A roda continua a girar e em Ostara ,O equinócio de Primavera, Ele  atinge sua puberdade onde a Terra explode de flores e frutos e a Deusa assume sua face Donzela da Primavera,  para alcançar sua maturidade em Beltane em 30/04 para o HN e 31/10 para o HS , os famosos ritos  de fertilidade de Bel, que identificam  o casamento sagrado, a união da força geradora passiva e feminina com o força ativa masculina,tendo-se o ápice de energia mútua ou seja as duas potências estão no auge, o sexto festival é Litha, o solstício de verão que marca o ápice de força solar, é tempo dos círculos de pedra , entre estes o mais famoso é reconhecido como o Stonehenge e que marca através do seu relógio natural o momento exato da entrada do solstício,durante esse sabbat bruxos de todo o mundo comemoram a proximidade com o reino Elemental que este rito permite assim como a energização de seus cristais pessoais, e tudo que começa chega à um fim ou à um recomeço então dá-se a hora da colheita, e Lammas pede passagem, o festival de fartura aonde os primeiros grãos são colhidos e o nosso Rei Sol começa assumir sua face ancião para findá-la em Mabon o próximo festival que é a continuação da colheita que obteve seu inicio em lughnasad
Esse ciclo foi consagrado e perdura há mais de oito mil anos , é possível reconhecer desde do período pré-cristão , as marcas destes festivais pela história.

Nenhum comentário:

Postar um comentário