domingo, 22 de setembro de 2013

Sabat de Ostara


Trecho de A Carga da Deusa.


Meditação Multidimensional


Somos seres multidimensionais, oriundos de um universo holográfico, embora nosso subconsciente interaja permanentemente com estas realidades sutis pouco ou nada vem a luz de nossa consciência.

Quem nunca foi assaltado por emoções descontroladas aparentemente sem sentido, sensações de empatia ou aversão, pessoas e lugares desconhecidos?
Tudo isso vem à tona de forma inconsciente ao nos depararmos com estas dimensões, através das meditações e transe multidimensional adentramos com consciência nestas realidades sutis, onde nos conectamos com guias e guardiões, para compreendermos as energias que nos assolam, liberar memórias e padrões inconscientes abrindo nossa mente para a verdade de que somos co-criadores de nossas vidas.


- Conexão com Guias e Guardiões.
- Liberação de Karma.
- Resgate de alma
- Renascimento.

Magia com Fogo - Os 7 poderes do Fogo Sagrado.

Os 7 poderes do Fogo Sagrado 
Dia de atendimentos individuais com as múltiplas magias do fogo.

- Oráculo; a luz do fogo mostrando o caminho
- Cura; rituais de sanação
- Desobsessão; encaminhamentos através do fogo
- Energização; restauração áurica e ativação dos centros energéticos
- Precipitação; ativação da força ígnea interna para concretização de objetivos
- Transmutação; purificação do campo astral das influências energéticas e espirituais
- Evolução; espiral iniciática para desenvolvimento dos dons e potenciais

Os atendimentos ocorrerão durante todo o dia, com hora marcada.
Agende seu horário!!!

Contatos: (51) 32352124 / (51) 99858033 / (51) 93814347
teiadalua@hotmail.com

Valor: R$70,00

Com Robinson Pacheco e Moara Steinke

Por que Meditar?



A meditação é um ato de observação da própria mente em seus movimentos internos, não está necessariamente relacionada a concentração porém tanto a meditação, quanto a concentração são partes complementares para o real funcionamento desta prática.
Trata-se de um momento de reflexão, a palavra meditação em sânscrito corresponde a Dhyāna que significa “pensar ou refletir” . A arte de auto-observar revela o quanto ainda nos tornamos escravos da própria mente utilizando-a de maneira agressiva à existência, seja pelo excesso de futuro - Ansiedade e Expectativa - Ou até pelo excesso do passado, processo de enraizamento de mágoas e frustrações...
A contemplação dos movimentos mentais, instintivamente nos levará ao silêncio, o que não está relacionado com o famoso " Silencie a mente" ; A ação de assumir o silêncio interior, é um processo demorado que requer entrega e prática, criar um silêncio imediato, força uma situação não-verdadeira de contemplação, inicie liberando a mente, e não silenciando-a. Não agir diante das manifestações dos pensamentos e somente observá-las é capaz de trazer entendimento e liberação de processos que muitas vezes possam passar desapercebidos, o que tornará a meditação muito mais funcional do que a busca objetiva em silenciar a mente

Diante das grandes metrópoles, a prática da meditação pode parece algo intangível , para quem serve à uma rotina acelerada e limitadora imposta pelo capitalismo, falar em meditação pode ser algo utópico ou até mesmo desnecessário, porém os benefícios ocasionado por esta prática estendem-se do aumento do sistema imunológico, a liberação do estresse, até a liberação de endorfinas.
A pratica meditativa reduz a aceleração do corpo, diminui a frequência cardíaca e melhora a irrigação cerebral aumentando assim a coerência e a sincronia, o que inevitavelmente origina um processo de relaxamento físico.
Em uma sociedade ocidental cerceada pelo Dever, que nos induz a busca incansável da satisfação e a fuga desesperada da dor, ou qualquer tipo de sofrimento que possa surgir meio a jornada da existência, o ato contemplativo surge como instrumento de assistir a si mesmo, trazendo consciência a ações rotineiras, elucidando luz e sombra à caminho de um iluminação!
Os locais apropriados auxiliam no desligamento mental, e emitem sinais a mente subconsciente que o momento é de relaxar, porém a auto-obervação por si só, se exercida durante um espaço de tempo levará a ampliação natural da consciência, aflorando entendimento.
Logo, vamos meditar!


Moara Steinke

domingo, 21 de julho de 2013

O que são oráculos?


Indecisões, desamores, perdas, respostas.. O que nos leva realmente a procurar a orientação de um oráculo?
Há séculos os anseios humanos buscam por respostas, por algo que identifique o rito pelo qual estão passando, por encontrar a si mesmo, perdido entre uma fumaça e outra. Os oráculos tem sua origem milenar visto que desde a observância do céu até os templos eles estão manifestos e são apenas códigos de energia relidos por um indivíduo devidamente capacitado para tal.
As civilizações mais antigas costumavam buscar o apoio de um oráculo, como uma resposta vinda dos céus para uma determinada questão, o que acabou por mistificar a Arte oracular ao intangível.
O mais famoso templo divinatório, revelou-se no Oráculo de Delfos.
Situado na cidade de Delfos, na Grécia; o oráculo era um templo dedicado a Apolo, também Deus da Profecia. Neste templo as Sacerdotisas de Apolo, chamadas Pitonisas faziam profecias em estado de transe, as visões das sacerdotisas eram alcançadas através da liberação de gases emitida em uma fenda subterrânea no local do templo. Através do contato com o Gás, conseguiam elevar a consciência e atingir respostas as questões lançadas.
Os oráculos atuais, na realidade expressam padrões energéticos que um determinado indivíduo tem semeado em sua vida, e logo anunciam o resultado de determinados atos, como somas de energias que condensam em um todo.
A lida com oráculos requer conhecimento, domínio sobre o próprio campo astral e compreensão dos próprios mistérios, lidar com a arte sem antes um preparo pode resultar em muitos fatores prejudiciais ao perispírito de quem interage com esta força.
Oráculos, não são brincadeira, logo não pode ser feito apenas uma perguntinha qualquer,
Há um ancoramento espiritual, um desgaste energético e uma aplicação do conhecimento de quem lê.
O uso de oráculos é um trabalho terapêutico, que busca muito mais do que sanar dúvidas, mas sim revelar padrões que executamos aos quais pouco nos reconhecíamos e através deste esclarecimento, evoluirmos, nos conectarmos com nossa divindade interior, outrora, adormecida, O uso dos oráculos são a visão da alma, e não podem, nem devem ser banalizados.


Moara Steinke.

quarta-feira, 12 de junho de 2013

Magia Ancestral I - Resgatando o Poder Pessoal


Magia Ancestral é um curso de vivência para contato com o Antigo Caminho, Fortalecendo o Poder Pessoal para o início da Caminhada Mágica, através de resgates buscamos a totalidade de nosso Ser para seguirmos adiante na antiga religião.

Primeiro módulo - Poder Pessoal

Tem como objetivo reconhecer a energia interior inerente a cada pessoa, trabalhando o despertar do poder pessoal, tornando-se consciente dos movimentos energéticos. Adquirir controle do seu como energético total, assim tornando possível protegê-lo, limpá-lo, desbloquear pontos, canalizar e direcionar a sua energia dentro e fora de si.
Tópicos: Poder pessoal, anatomia oculta, transformações energéticas, centros geradores de energia, despertar da consciência ativa, canalização.

http://moarasteinke.wix.com/teiadalua


quarta-feira, 29 de maio de 2013

Curso de Introdução as Cartas Ciganas! Em PORTO ALEGRE!


Shara Steinke


Terapeuta Holística, Reikiana, Neo-xamanista, runemal e taróloga, Shara Steinke contribui com o Teia da Lua na execução de cerimônias nativas e  vivências abertas ao público, que buscam o despertar para entrada da Nova Era, comungando com as sagradas medicinas da floresta amazônica, Shara mora na Aldeia  Yawanawa ( Amazônia - Acre), estudando de sua espiritualidade, oferecendo assim periodicamente cerimônias nativas no Teia da Lua. Iniciada em magia antiga, é Sacerdotisa do Coven Guardiãs da Lua  e co-fundadora do Teia da Lua.

Robinson Pacheco





Robinson atua como Terapeuta Holístico nas cidades de Novo Hamburgo e Porto Alegre, mesclando os conhecimentos adquiridos em atendimentos individuais e vivências de grupo.
Estudou Tarô, Runas, Bioenergética, Fitoterapia, Cristais, Florais e Terapia Akasha, alem de outras terapias energéticas.
Aprendeu técnicas ancestrais de manipulação dos corpos sutis e técnicas modernas de meditação conduzida e visualização criativa. Dedicou-se a pesquisar e compreender os arquétipos do sub-consciente e seus padrões em nossas vidas, mas é na Alquimia e seus caminhos de transformação onde reside a sua verdade.

Sandra Luiza




Sandra Luiza, trabalha ativamente com a espiritualidade da Deusa na cidade de Porto Alegre, oferecendo a comunidade Rituais Ancestrais de reconexão com Sagrado Feminino e Masculino, através da Antiga Relgião.
Terapeuta holística, taróloga, reikiana, curadora,  Neo-xamanista, facilitadora de círculos femininos, É Alta-Sacerdotisa do Coven Guardiãs da Lua e co-fundadora do Grupo Teia da Lua.

Moara Steinke



Terapeuta Holística,  Reikiana, Astróloga,  Fitoterapeuta,  Taróloga, Runemal  e quiromante;

Moara Steinke, atua junto ao grupo Teia da Lua facilitando cursos sobre fitoterapia,  Magia Ancestral, Runas e Tarot, Consagrada Elder do Coven Guardiãs da Lua  de Bruxaria Tradicional é  facilitadora de ritos aos Deuses antigos em Porto Alegre e co-fundadora do Grupo Teia da Lua.

Banhos Terapêuticos para cada Signo


R$: 15,00
A venda no Espaço Rapa Nuy - Rua Delfino Riet, 116 - Sto. Antonio - POA
Fone: 32352124
teiadalua@hotmail.com

Rituais Ancestrais evolução ou retrocesso?


A Bruxaria assim como a Wicca segue o fluxo da natureza honrando em suas liturgias os movimentos da Terra como sagrados, através de datas ancestrais estabelecidas como sabats ( Festas Solares) A Origem destas datas festivas surgem de antigos ritos celtas, na wicca essa compreensão surge a partir da evolução do calendário druidico, que continha apenas quatro grandes datas, no decorrer dos anos Nichols Ross , um dos adeptos do druidismo após passar anos estudando antigos ritos, ele subdivide o calendário solar em mais quatro partes, porém seu estudo não foi aceito pois sua proposta de alteração para os Druidas era uma quebra de Tradição, devido a esta rigidez ancestral presente no druidismo Ross repassa seu apanhado de estudos a Gerald Gardner , um amigo ocultista, que fundaria futuramente a wicca.

A Roda do Ano é o Primeiro calendário Solar baseado na localização para época de plantio e colheita, dando desta forma uma localização de tempo para os povos indo-europeus.

Hoje é comum que os praticantes da velha arte acabem sendo questionados, de por que continuar a celebrar datas tão antigas, que em outro tempo serviam de localização agrária, se hoje em dia pouco ou quase nada se tem de ligação com uma comunidade rural nos grandes centros? Qual é a verdadeira utilidade destes dias sagrados ancestrais na nova era?

A Palavra pagão deriva do latim paganus e quer dizer homem do campo, as tradições pagãs nutrem um profundo amor e respeito pela Natureza interna e externa.
E seu maior objetivo é religar-se com a Mãe-Terra, pois ainda que a evolução social tenha nos possibilitado uma forma de vida menos exposta aos perigos e as leis de sobrevivência, acabamos derradeiramente afastados da conexão com a natureza, e mesmo com toda a evolução tecnológica que presenciamos hoje, somos totalmente dependentes da Natureza. Não controlamos as Chuvas nem decidimos qual será o tempo do inverno, quando sentimos fome são os frutos da Terra que nos saciam.

O Pensamento pagão alinha-se com a idéia de que somos seres naturais por tanto sofremos as mesmas transformações que acontecem ao nosso redor, pois observando a vida natural externa começamos a compreender mais profundamente os processos da natureza interna, assim como a Terra floresce e definha nossa alma segue seus passos no eterno ciclo de vida-morte-vida, seja na Noite escura da Alma ou no desabrochar da vitalidade.

Desconectados da essência pode-se não observar o lento cair das folhas anunciando a chegada do inverno, mas inevitavelmente se perceberá quando a pele arder com o frio pedindo proteção.

Atualmente celebrar antigas datas solares, está muito mais relacionado com a psique e os movimentos internos do que ao plantio e a colheita. O que se faz da plantação pessoal, e qual é a colheita de seus frutos, são idéias que até hoje vivenciamos independente do que se planta inevitavelmente se colhe. A primeira mensagem que deixo para que se expie estes antigos mistérios é..

Do que você é feito?

Moara Steinke 

Kandake Dublaidd

Segunda Vermelha!

Segunda Vermelha!


1ª segunda do mês de Maio


A campanha com nome original em inglês “Menstrual Monday”, ou a “Segunda Vermelha” adaptado para o português, convoca a mulher contemporânea a participar ativamente de sua própria vida, redescobrindo e compartilhando com outras mulheres sua essência, empoderando-se e tornando-se uma forte agente transformadora de si mesma, de sua comunidade e do Planeta.

A primeira vez que se comemorou foi em 2000, idealizado por Genebra Kachaman e Molly Strange. Elas arrumaram um jeito de incentivar as mulheres a ritualizarem suas menstruações e o fizeram com manifestações artísticas. Na época, a campanha teve adesão da França, Canadá, Escócia e Quênia. Kachaman e Strange diziam que a intenção da campanha era criar um senso de diversão em torno de menstruação; para encorajar as mulheres a assumir a responsabilidade da sua menstruação e de saúde reprodutiva, para criar uma maior visibilidade da menstruação nos meios de comunicação social; e para reforçar a honestidade da menstruação em nossos relacionamentos.

Na realidade a campanha foi um efeito contrário à grande quantidade de registros do chamado “choque tóxico” provocado pelos absorventes internos naquela década de 90 e por tudo o que ele representa para a mulher: vulnerabilidade, vergonha, invasão, agressão e uma infinidade de doenças arrebatadoras e outras tão silenciosas quanto fatais, como o câncer de útero. Os absorventes internos vão bem, obrigada, e pra quem trabalha com saúde da mulher, sabe que o número de casos de “choques tóxicos” com absorventes descartáveis continua de vento em polpa, no mundo todo. Menos na Índia, porque lá elas nem sabem o que é isso. Bom, sorte a delas.

O movimento “Segunda Vermelha” parte de uma releitura dos aspectos femininos que se contrapõe ao movimento feminista da década de 70, onde os processos cíclicos da mulher foram caracterizados como uma desvantagem para a disputa com o homem pelo mercado de trabalho. Ele é fruto de novas perspectivas em relação à mulher e a natureza, o que ficou denominado como ecofeminismo, que revela um novo corpo feminino que se molda e vem surgindo em movimento de valorização dos aspectos e protagonismo femininos revelando um enorme potencial das mulheres em mudar o curso da história. A campanha não pretende excluir o homem das novas atividades dessa nova mulher; ao contrário, é um chamado para valores como honra e respeito à diversidade, principalmente à multiplicidade dos aspectos da mulher.

O movimento tem como mote o dia das mães. Por que a menstruação vem antes e, muitas vezes, depois dela também. E na verdade é a grande liga, o grande condutor da vida, o sangue.

Fonte: http://ladycupbrasil.com.br/midia/

Sagrado Masculino

Vejo um Homem primitivo, sua consciência recém desperta vê sua fragilidade, diante da grandeza de tudo o que o cerca. Longe de desenvolver a agricultura, sua vida depende dos humores da Natureza.
Facilmente superstições se criam e ele pinta nas cavernas a fartura da caça que ele quer, pedindo que o cervo se entregue em alimento... E ele se entrega.
Sua carne alimenta, sua pele veste e de seus ossos e chifres se fazem ferramentas. Em suas vísceras alguém vê um sinal de fartura e está selado o elo entre os Homens e o Deus de Chifres.
A consciência do Homem cresce e o Deus mostra a sua beleza com seus pequenos chifres, dançando pela floresta e encantando a natureza com sua música, traz a primavera. As plantas brotam, o fruto cresce e a vida se renova.
A consciência do Homem evolui e o Deus Carvalho mostra a sua grandeza permanecendo verde quando tudo a sua volta morre.
Assim como a cada dia a Mãe Noite dá a luz ao Deus Sol ao amanhecer e o engole ao anoitecer, a Grande Mãe da a Luz ao Deus da natureza que traz a primavera com seu sorriso de criança, mostra a sua grandeza num farto verão e sua sabedoria nas folhas do outono. Para novamente se recolher ao silêncio do ventre de sua amada e da escuridão da própria morte resgatar sua pureza e seu poder criador.
A conexão com a natureza faz com que ele revele seus mistérios ensinando ao Homem seus ciclos e ele desenvolve a agricultura e a pecuária. Com isso reúnem-se em aldeias e passam a trabalhar em prol do próprio sustento, constroem suas casas, cria o que mata e planta o que colhe.
A sociedade do homem cresce e sua arrogância também.
Muito tempo passou, muita história se fez, muitos Deuses surgiram e o Deus dos Homens tomou lugar do Deus da Natureza.
O Homem se torna o Deus em que acredita e a sociedade atual é um reflexo disso.

Robinson Pacheco

Curso de Introdução as Cartas Ciganas



quarta-feira, 3 de abril de 2013

CAFÉ COM BRUXAS - VAMOS TOMAR UM CAFÉ?

                                                           

FONES: 32352124 - 91812112 COM  SANDRA LUIZA